Resumo, em poucas palavras, dos pontos mais importantes da Doutrina Espírita que eles (os espíritos superiores), nos transmitiram:

“Deus é eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom.”

“Criou o Universo, que abrange todos os seres animados, e inanimados, materiais e imateriais.”

Vídeos Sugeridos

André Luiz Peixinho  (1)

Religiosidade na civilização do espírito

Maristela Santos  (0)

A Prece: As Qualidades da Prece

Afonso Chagas  (1)

Apocalipse: Uma Visão Geral - Parte 02

Haroldo Dutra Dias  (1)

A mulher Samaritana

Richard Simonetti  (2)

Segurança e Equilíbrio na Prática Mediúnica

Haroldo Dutra Dias  (2)

Haroldo e Divaldo - Perguntas e Respostas

Haroldo Dutra Dias  (1)

Cada Ato De Bondade ou Maldade Fica Registrado Em Seu Perispírito!

Haroldo Dutra Dias  (0)

Bom Ânimo

Sugestão de Leitura

Seara dos Médiuns - Emmanuel - Chico Vavier

Amigo leitor
A Doutrina Espírita, em seu primeiro século, assemelha-se, de algum modo, à árvore robusta espalhando ramaria, flores, frutos e essências, em todas as direções. 
Que princípios afins se lhe instalem nos movimentos, à maneira de aves tecendo ninhos transitórios nos galhos de tronco generoso, é inevitável; contudo, que os lavradores do campo lhe devem fidelidade e carinho, para que as suas raízes se mantenham puras e vigorosas, é outra proposição que não sofre dúvida. 
Assim pensando, prosseguimos em nossos comentários humildes da Codificação Kardequiana, apresentando, neste volume, o desataviado cometimento que nos foi permitido atender, no decurso da 90 reuniões públicas, nas noites de segundas e sextas-feiras, que tivemos a alegria de partilhar junto dos irmãos uberabenses, em 1960, na sede da Comunhão Espírita Cristã. 
Dessa feita, “O Livro dos Médiuns”, que justamente agora, em 1961, está celebrando o primeiro centenário, foi objeto de nossa especial atenção.
Os textos em exame foram escolhidos pelos companheiros encarnados, em cada reunião, e, depois dos apontamentos verbais de cada um deles, articulamos as considerações aqui expressas que, em vários casos, fomos compelidos a deslocar do tema propostos, à face de acontecimentos eventuais, surgidos nas assembléias. 
Algumas das páginas, que ora reunimos, foram publicadas em “Reformador”, o respeitado mensário da Federação Espírita Brasileira, e no jornal “A Flama Espírita”, da cidade de Uberaba. Esclarecemos, porém, que, situando aqui as nossas apreciações simples, na feição integral, com a ordem cronológica em que foram escritas e na relação das questões e respectivos parágrafos que “O Livro dos Médiuns” nos apresentava, efetuamos, pessoalmente, a total revisão de todas elas para o trabalho natural do conjunto.
Mais uma vez, asseguramos de público que o único móvel a inspirar-nos, no serviço a que nos empenhamos, é apenas o de encarecer o impositivo crescente do estudo sistematizado da obra de Allan Kardec – construção basilar da Doutrina Espírita, a que o Evangelho de Nosso Senhor Jesus-Cristo oferece cobertura perfeita –, a fim de que mantenhamos o ensinamento espírita indene da superstição e do fanatismo que aparecem, fatalmente, em todas as fecundações de exotismo e fantasia.
Esperando, pois, que outros seareiros venham à lide remediar-nos a imperfeição com interpretações e contribuições mais claras e mais   eficientes em torno da palavra imperecível do grande Codificador, de vez que os campos da ciência e da Filosofia, nos domínios doutrinários do Espiritismo, são continentes de trabalho a se perderem de vista, aqui  ficamos em nossa tarefa de apagado expositor da Religião Espírita, que é a Religião do Evangelho do Cristo, para sublimação da inteligência e aprimoramento do coração.

Emmanuel
(Uberaba, 1 de janeiro de 1961)