A Bíblia - ON LINE - Gálatas - GL

1-1 - Paulo, apóstolo ( não da parte dos homens, nem por homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou dos mortos ),

1-2 - e todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia:

1-3 - graça e paz, da parte de Deus Pai e da de nosso Senhor Jesus Cristo,

1-4 - o qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus, nosso Pai,

1-5 - ao qual glória para todo o sempre. Amém!

1-6 - Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho,

1-7 - o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo.

1-8 - Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.

1-9 - Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo: se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.

1-10 - Porque persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.

1-11 - Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens,

1-12 - porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.

1-13 - Porque já ouvistes qual foi antigamente a minha conduta no judaísmo, como sobremaneira perseguia a igreja de Deus e a assolava.

1-14 - E, na minha nação, excedia em judaísmo a muitos da minha idade, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais.

1-15 - Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou e me chamou pela sua graça,

1-16 - revelar seu Filho em mim, para que o pregasse entre os gentios, não consultei carne nem sangue,

1-17 - nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia e voltei outra vez a Damasco.

1-18 - Depois, passados três anos, fui a Jerusalém para ver a Pedro e fiquei com ele quinze dias.

1-19 - E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor.

1-20 - Ora, acerca do que vos escrevo, eis que diante de Deus testifico que não minto.

1-21 - Depois, fui para as partes da Síria e da Cilícia.

1-22 - E não era conhecido de vista das igrejas da Judéia, que estavam em Cristo;

1-23 - mas somente tinham ouvido dizer: Aquele que já nos perseguiu anuncia, agora, a fé que, antes, destruía.

1-24 - E glorificavam a Deus a respeito de mim.

2-1 - Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito.

2-2 - E subi por uma revelação e lhes expus o evangelho que prego entre os gentios e particularmente aos que estavam em estima, para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão.

2-3 - Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se.

2-4 - E isso por causa dos falsos irmãos que se tinham entremetido e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão;

2-5 - aos quais, nem ainda por uma hora, cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós.

2-6 - E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa ( quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem ), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram;

2-7 - antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me estava confiado, como a Pedro o da circuncisão

2-8 - ( porque aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão, esse operou também em mim com eficácia para com os gentios ),

2-9 - e conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas, a graça que se me havia dado, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios e eles, à circuncisão;

2-10 - recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência.

2-11 - E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível.

2-12 - Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão.

2-13 - E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação.

2-14 - Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?

2-15 - Nós somos judeus por natureza e não pecadores dentre os gentios.

2-16 - Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé de Cristo e não pelas obras da lei, porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada.

2-17 - Pois, se nós, que procuramos ser justificados em Cristo, nós mesmos também somos achados pecadores, é, porventura, Cristo ministro do pecado? De maneira nenhuma.

2-18 - Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor.

2-19 - Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus.

2-20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim.

2-21 - Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde.

3-1 - Ó insensatos gálatas! Quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade, a vós, perante os olhos de quem Jesus Cristo foi já representado como crucificado?

3-2 - Só quisera saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?

3-3 - Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne?

3-4 - Será em vão que tenhais padecido tanto? Se é que isso também foi em vão.

3-5 - Aquele, pois, que vos dá o Espírito e que opera maravilhas entre vós o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé?

3-6 - É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.

3-7 - Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão.

3-8 - Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.

3-9 - De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão.

3-10 - Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.

3-11 - E é evidente que, pela lei, ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá da fé.

3-12 - Ora, a lei não é da fé, mas o homem que fizer estas coisas por elas viverá.

3-13 - Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;

3-14 - para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo e para que, pela fé, nós recebamos a promessa do Espírito.

3-15 - Irmãos, como homem falo. Se o testamento de um homem for confirmado, ninguém o anula nem lhe acrescenta alguma coisa.

3-16 - Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua posteridade. Não diz: E às posteridades, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua posteridade, que é Cristo.

3-17 - Mas digo isto: que tendo sido o testamento anteriormente confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não o invalida, de forma a abolir a promessa.

3-18 - Porque, se a herança provém da lei, já não provém da promessa; mas Deus, pela promessa, a deu gratuitamente a Abraão.

3-19 - Logo, para que é a lei? Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita, e foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro.

3-20 - Ora, o medianeiro não o é de um só, mas Deus é um.

3-21 - Logo, a lei é contra as promessas de Deus? De nenhuma sorte; porque, se dada fosse uma lei que pudesse vivificar, a justiça, na verdade, teria sido pela lei.

3-22 - Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes.

3-23 - Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar.

3-24 - De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que, pela fé, fôssemos justificados.

3-25 - Mas, depois que a fé veio, já não estamos debaixo de aio.

3-26 - Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus;

3-27 - porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo.

3-28 - Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.

3-29 - E, se sois de Cristo, então, sois descendência de Abraão e herdeiros conforme a promessa.

4-1 - Digo, pois, que, todo o tempo em que o herdeiro é menino, em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo.

4-2 - Mas está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.

4-3 - Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo;

4-4 - mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,

4-5 - para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.

4-6 - E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.

4-7 - Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo.

4-8 - Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses.

4-9 - Mas agora, conhecendo a Deus ou, antes, sendo conhecidos de Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?

4-10 - Guardais dias, e meses, e tempos, e anos.

4-11 - Receio de vós que haja eu trabalhado em vão para convosco.

4-12 - Irmãos, rogo-vos que sejais como eu, porque também eu sou como vós; nenhum mal me fizestes.

4-13 - E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne.

4-14 - E não rejeitastes, nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne; antes, me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo.

4-15 - Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os olhos, e mos daríeis.

4-16 - Fiz-me, acaso, vosso inimigo, dizendo a verdade?

4-17 - Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles.

4-18 - É bom ser zeloso, mas sempre do bem e não somente quando estou presente convosco.

4-19 - Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós;

4-20 - eu bem quisera, agora, estar presente convosco e mudar a minha voz; porque estou perplexo a vosso respeito.

4-21 - Dizei-me vós, os que quereis estar debaixo da lei: não ouvis vós a lei?

4-22 - Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre.

4-23 - Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas o que era da livre, por promessa,

4-24 - o que se entende por alegoria; porque estes são os dois concertos: um, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.

4-25 - Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.

4-26 - Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é mãe de todos nós;

4-27 - porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz, esforça-te e clama, tu que não estás de parto; porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido.

4-28 - Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa, como Isaque.

4-29 - Mas, como, então, aquele que era gerado segundo a carne perseguia o que o era segundo o Espírito, assim é também, agora.

4-30 - Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque, de modo algum, o filho da escrava herdará com o filho da livre.

4-31 - De maneira que, irmãos, somos filhos não da escrava, mas da livre.

5-1 - Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão.

5-2 - Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.

5-3 - E, de novo, protesto a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a guardar toda a lei.

5-4 - Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído.

5-5 - Porque nós, pelo espírito da fé, aguardamos a esperança da justiça.

5-6 - Porque, em Jesus Cristo, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas, sim, a fé que opera por caridade.

5-7 - Corríeis bem; quem vos impediu, para que não obedeçais à verdade?

5-8 - Esta persuasão não vem daquele que vos chamou.

5-9 - Um pouco de fermento leveda toda a massa.

5-10 - Confio de vós, no Senhor, que nenhuma outra coisa sentireis; mas aquele que vos inquieta, seja ele quem for, sofrerá a condenação.

5-11 - Eu, porém, irmãos, se prego ainda a circuncisão, por que sou, pois, perseguido? Logo, o escândalo da cruz está aniquilado.

5-12 - Eu quereria que fossem cortados aqueles que vos andam inquietando.

5-13 - Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade.

5-14 - Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

5-15 - Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros.

5-16 - Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.

5-17 - Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis.

5-18 - Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.

5-19 - Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia,

5-20 - idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,

5-21 - invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.

5-22 - Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

5-23 - Contra essas coisas não há lei.

5-24 - E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.

5-25 - Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.

5-26 - Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.

6-1 - Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão, olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado.

6-2 - Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo.

6-3 - Porque, se alguém cuida ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo.

6-4 - Mas prove cada um a sua própria obra e terá glória só em si mesmo e não noutro.

6-5 - Porque cada qual levará a sua própria carga.

6-6 - E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui.

6-7 - Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.

6-8 - Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito do Espírito ceifará a vida eterna.

6-9 - E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.

6-10 - Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.

6-11 - Vede com que grandes letras vos escrevi por minha mão.

6-12 - Todos os que querem mostrar boa aparência na carne, esses vos obrigam a circuncidar-vos, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo.

6-13 - Porque nem ainda esses mesmos que se circuncidam guardam a lei, mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne.

6-14 - Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu, para o mundo.

6-15 - Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura.

6-16 - E, a todos quantos andarem conforme esta regra, paz e misericórdia sobre eles e sobre o Israel de Deus.

6-17 - Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus.

6-18 - A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja, irmãos, com o vosso espírito. Amém!